IV Festival de Teatro Amador de Felgueiras

Dias 18,19,20,25 e 26 Maio, na Casa das Artes de Felgueiras

 

A 4.ª edição do Festival de Teatro Amador decorrerá, na Casa das Artes de Felgueiras, nos dias 18, 19, 20, 25 e 26 de maio. Ao todo, serão quatro as peças apresentadas – “Os três malotas”, “Greve de sexo”, “Meu amor, dói!” e “Uma maçã em Felgueiras!” –, numa co-organização da ACLEM - Artes, Cultura e Lazer Empresa Municipal e da Maçã Vermelha - Associação Teatro e Cultura.

 

O Festival destina-se a maiores de 16 anos e a entrada tem um custo de 2,5 euros (por espetáculo) ou de 7,5 euros (bilhete que garante acesso a todos os espetáculos do Festival). Mais informações podem ser obtidas através do e-mail bilheteira@casadasartesdefelgueiras.com ou pelo telefone 255 340 340.

 

 

18 maio (sexta-feira) | 21:30

Os Três Malotas”

de Manuel Dume, adaptada - sob encenação de Luís Almeida

(Associação para o Desenvolvimento das Comunidades Locais)

 

Peruca é o mais velho de três irmãos e ficou com a taberna que os pais deixaram por falecimento. Os dois irmãos mais novos não ficaram com nada e sentem-se injustiçados. Moreira, seu empregado, convence o seu amigo José Benedito a atirar os três ao rio para se ver livre deles. Os Três Malotas é uma comédia de Manuel Dume, com adaptação de Luís Almeida, que retrata as partilhas, desentendimentos, ganâncias e (in)justiça. A história é observada pelas criadas da taberna e falada pelos clientes que vão jogando ao dominó à medida que observam o desenrolar dos acontecimentos.

A vida é como o dominó. Ora se deitam as peças abaixo, ora se colocam em cima.

 

 

19 maio (sábado) | 21:30

"Greve de sexo"

Com arranjos e encenação de Arnaldo Sousa

(ARCAP - Academia Recreativa e Cultural Amigos de Ponte)

 

Com arranjos e encenação de Arnaldo Sousa, o grupo de teatro ARCAP, leva a palco a “Greve de Sexo”.

A Greve de Sexo é baseada em Lisístrata, de Aristófanes, uma comédia antiguerra escrita em 411 a.C..

 

Na época em que foi escrita, Atenas atravessava um período difícil de sua história. Abandonados pelos seus aliados, os atenienses estavam cercados pelas tropas de Esparta. Essa luta fratricida enfraquecia a Grécia, pondo-a à mercê dos Persas. A peça de Aristófanes faz uma crítica severa a essa guerra, que envolvia as mulheres das cidades gregas na Guerra do Peloponeso, lideradas pela ateniense Lisístrata, que decidem instituir uma greve de sexo até que os seus maridos parem a luta e estabeleçam a paz.

Com esta atuação, o grupo de teatro ARCAP pretende homenagear todas as mulheres.

 

 

20 maio – 15:30

Meu amor, dói!

Dramaturgia e encenação de Marcela Fernandes

(Projeto TABU)

 

A violência de Género é um obstáculo à concretização dos objetivos da igualdade, desenvolvimento e paz, pois viola, dificulta e anula o gozo dos direitos humanos e das liberdades fundamentais. «Meu amor, doí!» é uma peça de teatro constituída por quatro monólogos baseados em relatos reais. O ambiente de todo o espetáculo é envolto num cenário metafórico que representa o limbo mental das personagens. Os casulos que constituem o maior impacto visual, representam metaforicamente a problemática social que as personagens viveram. Romper com eles significa expor abertamente todos os seus pensamentos sobre o que vivenciaram. A dramática história de pessoas reais para pessoas reais irá funcionar como uma descarga elétrica de realidade que suscitará no espectador um misto profundo de emoções. Todo o guião é baseado em relatos verídicos.

 

 

25 e 26 de maio – 21:30

"Uma Maçã em Felgueiras"

Dramaturgia e encenação de Rui Spranger

(Maçã Vermelha – Associação Teatro e Cultura)

 

O grupo de teatro de Maçã Vermelha - Associação Teatro e Cultura assinala 10 anos de atividade. Far-se-á uma viagem pela sua história e pela memória de alguns elementos que o integram.

Renovado o grupo e o próprio conceito deste (hoje com uma grande heterogeneidade integrando crianças, adolescentes e adultos) explorámos também as suas relações e visões sobre Felgueiras, dando um toque de humor a este espetáculo que se aproxima esteticamente do Teatro Documental.

 

Programação do dia